quarta-feira, 15 de setembro de 2010

.do sentido

.na minha humilde opinião, esse é o melhor trecho do último livro da lya luft: "múltipla escolha" [que me soou como um desabafo - sobre tudo um pouco, do início ao fim. gostei e recomendo.]




"Nessa falta de parâmetros, a tentação de experimentar pode se tornar uma ideia fixa. Tudo parece estar disponível: riqueza, beleza, juventude eterna, viagens, prazeres, promiscuidade (o que é que tem?), mil modos de abafar dúvidas e angústias.

Queremos presença e segurança, porém, em vez de estímulos e ajuda, sofremos desde muito cedo mil cobranças: O que você vai ser? O que vai estudar? Como, fracassou em mais um vestibular? Já transou? Nunca transou? Onze anos e ainda não ficou? E ainda não bebeu? Nem experimentou uma maconhazinha sequer? E um viagra pra melhorar ainda mais? Ainda aguenta os chatos dos pais? Saiba que eles te controlam sob o pretexto de que te amam. Sai dessa! Já tendo que trabalhar? E mais tarde: quarenta anos, e ganhando tão pouco? Tanto compromisso? E não tem aquele carro? Nunca esteve naquele resort? Não viu aquele filme, nem assistiu àquele espetáculo?


Como raramente cumprimos esses mandados, já ao levantar de manhã nos acompanha a sensação de que algo está errado conosco: dúvida e frustração. Somos severos cobradores das nossas próprias ações.

No esforço de realizar tarefas que talvez nem nos digam respeito, tememos olhar em torno e constatar que muita coisa falhou. Se falharmos, quem haverá de nos desculpar, de nos aceitar, onde nos encaixaremos, nesse universo de exitosos, bem-sucedidos, ricos e belos? Pois não se permite o erro, o fracasso, nesse ambiente perfeito. Duro dizer "amei torto, ignorei meus filhos, falhei com minha parceira ou parceiro, votei errado, fracassei na profissão, não ajudei meu amigo, abandonei meus velhos pais e esqueci meus sonhos".

Queremos, mais do que o possível, o espantoso: atividade, dinheiro, saúde, perfeição física, competitividade no trabalho, desempenho no amor, quem sabe até a foto naquela revista, a entrevista, os segundos de fama.

Mas sofremos a solidão no quarto, a ausência à mesa, a alegria perdida, o rosto onde nada combina, o silicone que escorre, a cicatriz que ressurge, e o tempo que ri de nós porque não o soubemos encarar. Enquanto nós, teatro mambembe de pequenos absurdos, ainda não encontramos nem a roupa nem o texto, nem sabemos quem vai nos dirigir, plateia de nós mesmos, sentada no escuro.

Carentes de uma escuta interessada, não temos com quem falar. Para as decisões que deveríamos tomar (às vezes o melhor é não fazer nada, mas refletir um pouco), precisamos de informação, que nasce da comunicação. Mas, no século dos altos decibéis, quando se trata da palavra somos desajeitados: temos medo de falar, e temor de silenciar."

.

.cabe aqui:


"change
everything you are
and everything you were..."

6 comentários:

™Deka disse...

Gostei do post. A gente se cobra mesmo! Existem pessoas que transparecem essa cobrança, outras a fazem em silêncio...
Eu já me cobrei pelo físico, por experiências que não tive, etc...
Ahhh humanos!
Beijo.

HigorBRodrigues disse...

Layout novo, gostei:)

.ana disse...

uma parte da minha necessidade urgente de mudanças.
;)

Nine Stecanella disse...

Lya é uma daquelas escritoras que não importa onde e nem como, sempre passa algo de muito bom pra pensar!

@Café disse...

isso faz todo o sentido pra mim... obrigada!

Maria das Graças disse...

Ana,

gosto da Lya Luft pois descreve com clareza a sociedade atual onde se não se pode errar,envelhecer,ser autêntico. A moda é cultivar o individualismo,viver de aparencias.
Afinal é fora de moda cultivar ou externar sentimentos.
Quanto a mim, vivo minha vida longe dessas mediocridades. Tenho as minhas próprias escolhas.
Bjs.