sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

.eu não comi o presépio

Tem coisas que só Porto Alegre proporciona pra gente...


Deveras interessante cruzar com isso na rua. E, de fato, eu não comi o presépio. Aliás, há seis anos eu não faço isso, e me sinto muito bem, obrigada. Mas não vou entrar no mérito da questà agora.

Só aproveitando o assunto, vou colocar aqui como curiosidade aleatória uns trechos do livro "Pequeno tratado sobre Karma", que ganhei de um ex colega de espanhol que virou Hare Krsna (!!!!) [quando encontrei ele na rua com aquela roupa laranja, cabelo raspado e trancinha atrás da cabeça, quase não acreditei... mas cada um com suas convicções...].

"Como não podemos criar, não temos o direito de matar nenhuma entidade viva e, por conseguinte, as leis feitas pelo homem, que distinguem entre matar um homem e matar um animal, são imperfeitas. Ao passo que existem defeitos nas leis humanas, não pode haver defeitos nas leis de Deus. Segundo as leis de Deus, matar um animal é tão condenável quanto matar um homem. Aqueles que fazem distinções entre estes dois casos estão inventando suas próprias leis. Até nos Dez mandamentos se prescreve: "Não matarás". Esta é uma lei perfeita, mas ao especular e fazer discriminações, os homens a desvirtuam. "Não matarei o homem, mas os animais sim."

(...)

"Pode ser que alguém mate um animal para comê-lo e desfrutar dele, mas semelhante ação o prenderá a este mundo. Assim, pois, na vida seguinte, esta pessoa se tornará uma vaca ou uma cabra, e a vaca ou a cabra se tornarão homens e comerão aqueles que as comeram. Isto é o que afirmam os Vedas e, como tudo que é dito nos Vedas, podemos acreditar ou não. Infelizmente, na atualidade, as pessoas são educadas de tal maneira que não acreditam numa próxima vida. De fato, parece que quanto mais "educada" a pessoa se torna, menos crê em Deus, na Lei de Deus, na próxima vida e em atividades piedosas e pecaminosas. Dessa maneira, a educação moderna está preparando os homens para que se tornem animais. Se não há nenhuma educação que ensine ao ser humano que ele não é este corpo, ele continua sendo não mais que um asno. O asno também acredita que "sou este corpo", como também crêem todos os outros animais. Desta forma, se um homem pensa assim, que diferença há entre ele e o animal?"

Enfim, só para refletir a respeito...

4 comentários:

The Heart of Lilith disse...

O macrocosmo está no microcosmo e vice-versa!

.ana disse...

puzóia... cadum, cadum...

mas a sessão de pedaços de animais mortos no mercado nunca me agradou...

Marcelo disse...

Quer dizer q nas próximas vidas eu serei comido várias vezes?

Acho q vou virar vegetariano e começar a compensar o meu karma agora de alguma maneira heterossexual.

.ana disse...

hahahahah...

comentário muito pertinente...